Relações Públicas

As Relações Públicas são das mais importantes vertentes ao nível da comunicação empresarial.

Este é o blog de Sílvia Delgado, licenciada em Marketing e Jornalista.
No meu portefólio de textos aprofundará os seus conhecimentos sobre construção de sites,
motores de busca, nomes de domínio, marketplaces, e-advertising, segmentação, e-commerce,
wireless, e-mail marketing, permission marketing, marketing viral e e-business, entre outros.

Outros temas



Inquérito

Acredita que, nos dias de hoje, uma empresa pode ter sucesso sem estar presente na internet?

Sim
Não

Votar
Resultado Parcial

Saiba o que se passa de novo neste site!

Para receber alertas na sua caixa de correio, envie um mail para alertas@ivillage.com

Se desejar contactar-me por outros motivos, pode enviar-me um e-mail para silviadelgado@lycos.co.uk




 
Salas de imprensa virtuais não respondem às necessidades dos jornalistas

As salas de imprensa virtuais, páginas de sites empresariais inteiramente dedicadas aos jornalistas, não estão a cumprir os objectivos para os quais foram criadas. Quem o diz é o Maloney Group, que efectuou recentemente um estudo neste âmbito.

Mesmo no caso das dot.com, das quais se esperava um funcionamento virtual sem queixas, as relações com a comunicação social começam a fazer desesperar os jornalistas. Veja alguns das dificuldades por eles sentidas.

Onde está... o Press Release?

É caso para perguntar pelo novo Wally, que se esconde em sites B2C, por detrás dos Company Info, dos About the company, e de muitos outros pequenos links ao fundo da página, que por sua vez nos direccionam para todas as informações corporativas.

Estou a referir-me à dificuldade sentida, muitas vezes em descobrir se existe realmente uma sala de imprensa e, se existe, onde fica. Algumas buscas resultam infrutíferas pela simples não existência da sala de imprensa.

A este respeito, um jornalista contactado pelo Emarketeer.net, confirma: "o site corporativo é o primeiro lugar onde procuro informação sobre as empresas. Para além da dificuldade em encontrar as salas de imprensa tenho ainda de deparar-me, muitas vezes, com páginas vazias e desactualizadas".

Conclusões do estudo

Apenas 30 por cento das salas de imprensa permite que os jornalistas se inscrevam para receberem alertas de notícias por e-mail, serviço que, hoje em dia, já não exige grandes perícias técnicas às empresas, pois basta apenas que estas subscrevam um serviço de mailing lists.

Caso prefiram, as empresas poderão também efectuar este serviço internamente, não necessitando, para isso, de grandes investimentos.

Para além disto, 48 por cento das empresas falham por não colocarem as notícias corporativas logo na primeira página do site. A este respeito, uma empresa líder de mercado admitiu que quando mudaram as notícias de uma página secundária para a primeira página, o tráfego de jornalistas simplesmente duplicou, refere o InternetDay.

As salas de imprensa podem ser utilizadas de uma forma pró-activa, sugerindo histórias de interesse para os jornalistas, isto para além das notícias da actualidade. Os casos de sucesso da empresa, por exemplo, são sempre susceptíveis de serem publicados pelas revistas de gestão ou pelas publicações técnicas dentro da indústria.

Em relação a esta possibilidade de propor artigos aos jornalistas, dando-lhes ideias, não chega a 15 por cento o número de empresas que o fazem.

Ainda Segundo o Maloney Group, as indústrias que melhor comunicam com a comunicação social são, por ordem decrescente de desempenho: aerospacial, hardware e software, farmacêutica, telecomunicações, química, matérias primas, entretenimento e media, serviços para empresas, bens de consumo, serviços financeiros e por fim a indústria automóvel.

Neste estudo foi utilizada a SPINdex, ferramenta que permitiu a análise das salas de imprensa segundo 80 critérios, como a forma de entrega da informação, o diálogo estabelecido, a credibilidade construída e a coerência com a imagem de marca, entre outros.

Estes critérios permitiram a elaboração de um ranking de empresas, as quais foram retiradas da listagem das 100 maiores empresas da revista Fortune e das empresas melhor cotadas no Reputation Study da Harris Interactive. O estudo será actualizado duas vezes por ano.

© Sílvia Delgado
 
Melhore as suas relações com a comunicação social

Todas as empresas convivem com os media, embora algumas deixem esta vertente um pouco ao acaso, esperando que os órgãos de comunicação publiquem notícias a seu respeito apenas pela sua livre iniciativa. Se este não é o seu caso, e se já adjudicou a pasta dos media a um dos seus colaboradores, saiba aquilo que este terá de fazer, para o correcto cumprimento da função.

Na era da internet, esta tarefa acaba por ser facilitada, uma vez que o e-mail proporciona comunicações cada vez mais rápidas e os sites institucionais já possuem, muitas vezes, uma secção onde disponibilizam os seus comunicados de imprensa. No entanto, não deixe de seguir alguns conselhos básicos.



O press release

Em primeiro lugar, tenha consciência de que um press release padronizado e igual para todo o tipo de publicações não é, de todo, a melhor estratégia de comunicação.

Este deve ser adaptado às necessidades de cada órgão de comunicação, especialmente se falamos de publicações ou programas temáticos. Por exemplo, uma revista de tecnologia necessita de informação diferente da que utiliza uma revista de marketing, por isso, disponibilize aos jornalistas os dados exactos da área em que actuam. Se enviar o press release certo ao órgão certo, muito provavelmente, ele será publicado.

Nesta perspectiva, deve colocar sempre em primeiro plano (leia-se, no primeiro parágrafo) a informação mais importante para cada órgão de comunicação.

Não se esqueça ainda de que não deve "bombardear" os jornalistas com informação não relevante. Este bombardeamento poderá construir uma má imagem para a sua empresa neste meio, o que deverá ser evitado.

Para além disto, disponibilize no seu site os comunicados lançados pela empresa. Uma secção chamada "Press Releases" funciona muito bem e é eficaz: quando no meio se sabe de uma notícia, o site é, muito provavelmente, o primeiro canal a ser consultado pelos jornalistas. Para além disso, as publicações que não tenham recebido o press release, podem sempre tê-lo à disposição através do site.

Não fale só da sua empresa

Para além de divulgar as actividades da sua empresa, utilize o press release como ferramenta de divulgação de assuntos, nos quais seja considerado um "entendido" e que pense serem pertinentes aos jornalistas, por exemplo, informações sobre a indústria onde a sua empresa opera.

Ao falar de assuntos de interesse geral terá maior probabilidade de ver o seu press release publicado, já que os assuntos mais generalistas interessam a um maior número de leitores.

Esta estratégia foi utilizada com sucesso pela Think, que, graças à exposição conseguida com um artigo no Expresso, "aumentou consideravelmente o seu número de clientes", revelou Luis Miguel Alverca, Director de Marketing, na conferência B2B'2001, organizada em Lisboa pelo IIR Portugal. O artigo não falava das soluções que esta empresa comercializa, mas sim de e-marketplaces.

Aproveite o contexto social

Neste tipo de estratégia, a conjuntura torna-se especialmente importante. Para ter algum destaque nos media, é necessário aproximar-se dos assuntos da actualidade. Veja, por exemplo, o que fez o ForumB2B numa altura em que se falava no orçamento do Estado e na redução da despesa pública: veio dizer ao CanalEbiz que os marketplaces podem ajudar o estado a "cortar 20% na despesa pública", podendo o "e-procurement substituir o orçamento rectificativo".

Desta forma esta empresa consegue ter mais leitores, pois está a ir ao encontro das preocupações actuais dos cidadãos.

Journalist Relationship Management

Esta expressão diz-lhe alguma coisa? Se a resposta é negativa, é natural. Esta expressão foi criada para aconselhá-lo a criar um relacionamento com os jornalistas que cobrem - directa ou indirectamente - a sua área de actuação. Conheça-os pelo nome, esteja disponível para os ajudar em qualquer artigo, telefone-lhes... enfim. Cultive um relacionamento com eles.

Desta forma, quando eles necessitarem de esclarecimentos, contactá-lo-ão em primeiro lugar. Se isto acontecer, e se tiver oportunidade de os informar, mesmo numa área não relacionada à da sua empresa, faça-o.

Para além disto, não se recuse nunca a prestar declarações (sobretudo em situações de crise), pois os jornalistas poderão munir-se de outras fontes de informação, as quais certamente não estarão preocupadas com a imagem da sua empresa e não dispõem de informações sobre a mesma.

Organize eventos de interesse geral

Para aparecer nos media, nada melhor do que criar eventos, parcerias, acções e situações susceptíveis de criarem interesse público. Claro que essas acções têm de ter alguma originalidade, pois se forem apenas mais uma entre muitas outras, não terão interesse editorial.

Veja por exemplo o Red Bull, que organizou, na Holanda, um concurso de criatividade para a criação de asas, baseado no slogan "Red Bull dá-te asas".

Em Portugal esta empresa já organizou eventos como o Red Bull Air & Water e o Red Bull X Invicta. No Brasil, decorrerá o Red Bull Down Rio, já a 18 e 19 de Agosto, no qual 32 atletas "rolarão ladeira abaixo" nas modalidades skate downhill e street luge.

Quando o acontecimento se destaca pela criatividade, quando reúne os melhores atletas ou os melhores profissionais, certamente ganhará interesse para os leitores, ouvintes e espectadores dos órgãos de comunicação social.

Mostre disponibilidade 24/7

É difícil, mas muito importante estar disponível a qualquer hora, principalmente se a sua empresa tem tendência a sofrer ataques dos media. Um caso real exemplificativo é o de um hospital público de gestão privada: sempre que os seus utentes tinham alguma queixa em relação aos serviços prestados, queixavam-se - imagine-se - aos meios de comunicação social, os quais contactavam o responsável pelas relações com a imprensa do hospital para ouvir a outra versão da história.

Escusado será dizer que este responsável tinha o telemóvel de trabalho sempre ligado.

Para terminar, saiba que existe já software específico que analisa os resultados dos press releases enviados. Uma dessas soluções é fornecida pela Biz360 e está comentada na Business 2.0.

© Sílvia Delgado







Efectue aqui outras pesquisas:

Google

Powered By Blogger TM   

Relações Públicas: a internet é uma excelente forma de contacto com os seus diversos públicos

Relações Públicas

As Relações Públicas são das mais importantes vertentes ao nível da comunicação empresarial.

Este é o blog de Sílvia Delgado, licenciada em Marketing e Jornalista.
No meu portefólio de textos aprofundará os seus conhecimentos sobre construção de sites,
motores de busca, nomes de domínio, marketplaces, e-advertising, segmentação, e-commerce,
wireless, e-mail marketing, permission marketing, marketing viral e e-business, entre outros.

Outros temas



Inquérito

Acredita que, nos dias de hoje, uma empresa pode ter sucesso sem estar presente na internet?

Sim
Não

Votar
Resultado Parcial

Saiba o que se passa de novo neste site!

Para receber alertas na sua caixa de correio, envie um mail para alertas@ivillage.com

Se desejar contactar-me por outros motivos, pode enviar-me um e-mail para silviadelgado@lycos.co.uk




 
Salas de imprensa virtuais não respondem às necessidades dos jornalistas

As salas de imprensa virtuais, páginas de sites empresariais inteiramente dedicadas aos jornalistas, não estão a cumprir os objectivos para os quais foram criadas. Quem o diz é o Maloney Group, que efectuou recentemente um estudo neste âmbito.

Mesmo no caso das dot.com, das quais se esperava um funcionamento virtual sem queixas, as relações com a comunicação social começam a fazer desesperar os jornalistas. Veja alguns das dificuldades por eles sentidas.

Onde está... o Press Release?

É caso para perguntar pelo novo Wally, que se esconde em sites B2C, por detrás dos Company Info, dos About the company, e de muitos outros pequenos links ao fundo da página, que por sua vez nos direccionam para todas as informações corporativas.

Estou a referir-me à dificuldade sentida, muitas vezes em descobrir se existe realmente uma sala de imprensa e, se existe, onde fica. Algumas buscas resultam infrutíferas pela simples não existência da sala de imprensa.

A este respeito, um jornalista contactado pelo Emarketeer.net, confirma: "o site corporativo é o primeiro lugar onde procuro informação sobre as empresas. Para além da dificuldade em encontrar as salas de imprensa tenho ainda de deparar-me, muitas vezes, com páginas vazias e desactualizadas".

Conclusões do estudo

Apenas 30 por cento das salas de imprensa permite que os jornalistas se inscrevam para receberem alertas de notícias por e-mail, serviço que, hoje em dia, já não exige grandes perícias técnicas às empresas, pois basta apenas que estas subscrevam um serviço de mailing lists.

Caso prefiram, as empresas poderão também efectuar este serviço internamente, não necessitando, para isso, de grandes investimentos.

Para além disto, 48 por cento das empresas falham por não colocarem as notícias corporativas logo na primeira página do site. A este respeito, uma empresa líder de mercado admitiu que quando mudaram as notícias de uma página secundária para a primeira página, o tráfego de jornalistas simplesmente duplicou, refere o InternetDay.

As salas de imprensa podem ser utilizadas de uma forma pró-activa, sugerindo histórias de interesse para os jornalistas, isto para além das notícias da actualidade. Os casos de sucesso da empresa, por exemplo, são sempre susceptíveis de serem publicados pelas revistas de gestão ou pelas publicações técnicas dentro da indústria.

Em relação a esta possibilidade de propor artigos aos jornalistas, dando-lhes ideias, não chega a 15 por cento o número de empresas que o fazem.

Ainda Segundo o Maloney Group, as indústrias que melhor comunicam com a comunicação social são, por ordem decrescente de desempenho: aerospacial, hardware e software, farmacêutica, telecomunicações, química, matérias primas, entretenimento e media, serviços para empresas, bens de consumo, serviços financeiros e por fim a indústria automóvel.

Neste estudo foi utilizada a SPINdex, ferramenta que permitiu a análise das salas de imprensa segundo 80 critérios, como a forma de entrega da informação, o diálogo estabelecido, a credibilidade construída e a coerência com a imagem de marca, entre outros.

Estes critérios permitiram a elaboração de um ranking de empresas, as quais foram retiradas da listagem das 100 maiores empresas da revista Fortune e das empresas melhor cotadas no Reputation Study da Harris Interactive. O estudo será actualizado duas vezes por ano.

© Sílvia Delgado
 
Melhore as suas relações com a comunicação social

Todas as empresas convivem com os media, embora algumas deixem esta vertente um pouco ao acaso, esperando que os órgãos de comunicação publiquem notícias a seu respeito apenas pela sua livre iniciativa. Se este não é o seu caso, e se já adjudicou a pasta dos media a um dos seus colaboradores, saiba aquilo que este terá de fazer, para o correcto cumprimento da função.

Na era da internet, esta tarefa acaba por ser facilitada, uma vez que o e-mail proporciona comunicações cada vez mais rápidas e os sites institucionais já possuem, muitas vezes, uma secção onde disponibilizam os seus comunicados de imprensa. No entanto, não deixe de seguir alguns conselhos básicos.



O press release

Em primeiro lugar, tenha consciência de que um press release padronizado e igual para todo o tipo de publicações não é, de todo, a melhor estratégia de comunicação.

Este deve ser adaptado às necessidades de cada órgão de comunicação, especialmente se falamos de publicações ou programas temáticos. Por exemplo, uma revista de tecnologia necessita de informação diferente da que utiliza uma revista de marketing, por isso, disponibilize aos jornalistas os dados exactos da área em que actuam. Se enviar o press release certo ao órgão certo, muito provavelmente, ele será publicado.

Nesta perspectiva, deve colocar sempre em primeiro plano (leia-se, no primeiro parágrafo) a informação mais importante para cada órgão de comunicação.

Não se esqueça ainda de que não deve "bombardear" os jornalistas com informação não relevante. Este bombardeamento poderá construir uma má imagem para a sua empresa neste meio, o que deverá ser evitado.

Para além disto, disponibilize no seu site os comunicados lançados pela empresa. Uma secção chamada "Press Releases" funciona muito bem e é eficaz: quando no meio se sabe de uma notícia, o site é, muito provavelmente, o primeiro canal a ser consultado pelos jornalistas. Para além disso, as publicações que não tenham recebido o press release, podem sempre tê-lo à disposição através do site.

Não fale só da sua empresa

Para além de divulgar as actividades da sua empresa, utilize o press release como ferramenta de divulgação de assuntos, nos quais seja considerado um "entendido" e que pense serem pertinentes aos jornalistas, por exemplo, informações sobre a indústria onde a sua empresa opera.

Ao falar de assuntos de interesse geral terá maior probabilidade de ver o seu press release publicado, já que os assuntos mais generalistas interessam a um maior número de leitores.

Esta estratégia foi utilizada com sucesso pela Think, que, graças à exposição conseguida com um artigo no Expresso, "aumentou consideravelmente o seu número de clientes", revelou Luis Miguel Alverca, Director de Marketing, na conferência B2B'2001, organizada em Lisboa pelo IIR Portugal. O artigo não falava das soluções que esta empresa comercializa, mas sim de e-marketplaces.

Aproveite o contexto social

Neste tipo de estratégia, a conjuntura torna-se especialmente importante. Para ter algum destaque nos media, é necessário aproximar-se dos assuntos da actualidade. Veja, por exemplo, o que fez o ForumB2B numa altura em que se falava no orçamento do Estado e na redução da despesa pública: veio dizer ao CanalEbiz que os marketplaces podem ajudar o estado a "cortar 20% na despesa pública", podendo o "e-procurement substituir o orçamento rectificativo".

Desta forma esta empresa consegue ter mais leitores, pois está a ir ao encontro das preocupações actuais dos cidadãos.

Journalist Relationship Management

Esta expressão diz-lhe alguma coisa? Se a resposta é negativa, é natural. Esta expressão foi criada para aconselhá-lo a criar um relacionamento com os jornalistas que cobrem - directa ou indirectamente - a sua área de actuação. Conheça-os pelo nome, esteja disponível para os ajudar em qualquer artigo, telefone-lhes... enfim. Cultive um relacionamento com eles.

Desta forma, quando eles necessitarem de esclarecimentos, contactá-lo-ão em primeiro lugar. Se isto acontecer, e se tiver oportunidade de os informar, mesmo numa área não relacionada à da sua empresa, faça-o.

Para além disto, não se recuse nunca a prestar declarações (sobretudo em situações de crise), pois os jornalistas poderão munir-se de outras fontes de informação, as quais certamente não estarão preocupadas com a imagem da sua empresa e não dispõem de informações sobre a mesma.

Organize eventos de interesse geral

Para aparecer nos media, nada melhor do que criar eventos, parcerias, acções e situações susceptíveis de criarem interesse público. Claro que essas acções têm de ter alguma originalidade, pois se forem apenas mais uma entre muitas outras, não terão interesse editorial.

Veja por exemplo o Red Bull, que organizou, na Holanda, um concurso de criatividade para a criação de asas, baseado no slogan "Red Bull dá-te asas".

Em Portugal esta empresa já organizou eventos como o Red Bull Air & Water e o Red Bull X Invicta. No Brasil, decorrerá o Red Bull Down Rio, já a 18 e 19 de Agosto, no qual 32 atletas "rolarão ladeira abaixo" nas modalidades skate downhill e street luge.

Quando o acontecimento se destaca pela criatividade, quando reúne os melhores atletas ou os melhores profissionais, certamente ganhará interesse para os leitores, ouvintes e espectadores dos órgãos de comunicação social.

Mostre disponibilidade 24/7

É difícil, mas muito importante estar disponível a qualquer hora, principalmente se a sua empresa tem tendência a sofrer ataques dos media. Um caso real exemplificativo é o de um hospital público de gestão privada: sempre que os seus utentes tinham alguma queixa em relação aos serviços prestados, queixavam-se - imagine-se - aos meios de comunicação social, os quais contactavam o responsável pelas relações com a imprensa do hospital para ouvir a outra versão da história.

Escusado será dizer que este responsável tinha o telemóvel de trabalho sempre ligado.

Para terminar, saiba que existe já software específico que analisa os resultados dos press releases enviados. Uma dessas soluções é fornecida pela Biz360 e está comentada na Business 2.0.

© Sílvia Delgado







Efectue aqui outras pesquisas:

Google

Powered By Blogger TM